Por que os anos estão se passando cada vez mais rápido?

anos passando 2016

*Por Cecília Costa

Quem é que não se viu dizendo: O ano já está acabando? Passou tão depressa… tantas coisas que eu ainda gostaria de fazer. Entra ano sai ano e nós cada vez mais espantados com a rapidez do tempo. Será por que? Se lembra da teoria da relatividade de Einstein? Ela diz que o tempo é relativo, ele se torna mais lento à medida que nos aproximamos da velocidade da luz. E o que isso tem a ver com o seu tempo? Bem, a velocidade dos tempos atuais é bem maior do que a 80 anos atrás, quando TV ainda era raridade; ou do que a 30 anos, quando computador era raridade; ou do que a 20 anos quando quase não havia celular, ou mesmo do que a 5 anos quando não havia Smart Phone ou Tablet. Eu nem estou considerando que a velocidade dos meios de transporte aumentou. Estou apenas considerando que a quantidade de informações que você recebe por dia aumentou vertiginosamente (2,4% ao ano entre 1980 e 2008) e que você leva em média 11,8 horas diária recebendo informação. Pense só, 60 anos atrás as pessoas recebiam informações principalmente a partir de seus vizinhos, as vezes do rádio ou de algum jornal escrito (mas lembre-se que nessa época a maior parte das pessoas vivia na zona rural e sem luz, de modo que rádio, só enquanto durasse a pilha, e jornal era raridade). A quantidade de informações novas que uma pessoa tinha ao longo de um dia era quase nada ou uns poucos fatos corriqueiros. Isso significa que naquela época você teria que viver cerca de 25 anos (considerando 30 minutos por dia dedicados à informação) para ter a quantidade de informações que você tem hoje em um único dia. É natural então que você se pergunte “por que você tem a impressão que o ano foi tão corrido se na verdade você viveu o equivalente a 25 anos”? Não seria de se esperar que você pudesse então realizar muitas coisas nesse tempo tão longo? A questão é que você não viajou a velocidade da luz, então o ano para você durou apenas 1 ano mesmo, só que a quantidade de informações que você recebeu equivale a ter vivido uns 25 anos, ou seja, você gastou muito mais tempo recebendo, processando e reagindo a informações do que as pessoas gastavam a 80 anos atrás. E isso consumiu o seu tempo e fez com que você tivesse a impressão que o ano se passou rápido demais. E então… O dia acabou!… O ano acabou!… Lá se foram 10 anos, as crianças cresceram, a velhice chegou, e assim, como se você nem percebesse, chegou o dia de morrer. Puxa, tanta coisa ainda por fazer!

E então chega a hora do grande encontro. Aquele encontro profundo com sua essência, com tudo que você conseguiu transformar em você, sua contribuição para o mundo, o que você fez de positivo, o que você fez de errado, o que você deixou de fazer. Isso não é uma crença ou um final surreal para essa história, há centenas de relatos, inclusive estudados pelos neurocientistas, de pessoas que voltaram de uma experiência de quase morte e que relatam que viram o filme de suas vidas. E então, será que você vai ter que assistir a aquele filme entediante das centenas de horas que você gastou no shopping, nas lojas, na TV, no computador, no celular ou no trânsito?

O fato é que os tempos mudaram rapidamente, atualmente, em dois dias se produz a mesma quantidade de informação do que toda a informação produzida até 2003 (Eric Schmidt). E a quantidade de informações vai continuar aumentando. Um dos reflexos disso é o estresse e as várias doenças físicas e psíquicas a ele associadas. Sua única saída é gerir o seu tempo, buscando o máximo de qualidade e significado para cada momento da sua vida. Para isso, uma das primeiras providências é selecionar as informações que chegam até você e seus familiares. Não espere que os meios de comunicação de massa tenham algum compromisso com a qualidade do que chega até você. Eles são mantidos pelas propagandas e as propagandas têm compromisso com as empresas e as empresas com seus donos ou acionistas. E os acionistas tem compromisso de investir o dinheiro onde ele rende mais dinheiro e isso só é possível através de mais propaganda e aí você entra na história. Aquela megaempresa que mais investe em propaganda é a que ganha mais dinheiro. Você só pode mudar isso se reverter essa lógica. Para isso, invista seu tempo em informações de qualidade, em aprofundar-se naquilo que lhe interessa e em comprar aquilo que vai fazer alguma diferença profunda em sua vida. Compre de preferência de negócios pequenos e locais, evite as grandes empresas, cheia de acionistas vorazes por mais dinheiro. Investir no seu autodesenvolvimento é um grande passo nessa direção: busque desenvolver velhos talentos e encontrar novos, busque se aproximar de seu propósito de vida, desvende seu inconsciente e livre-se de pesos e condicionamentos, aproprie-se de sua história de vida e continue a escrevê-la com cada vez mais significado e alegria.

Se você gostou desse artigo, compartilhe e ajude a propagar informações transformadoras. Para receber nossos próximos artigos gratuitamente, cadastre-se.

*Cecília Costa é diretora do Instituto SerMente Live, terapeuta de Constelação Familiar e Sistêmica, professora universitária, facilitadora de cursos de autodesenvolvimento.  Para ver a agenda de atividades oferecidas, clique aqui.