Adoção e a fidelidade da criança pela família de origem

michelangelo adoção

Mesmo que a criança adotada não se lembre dos pais biológicos, ela pode se manter conectada a eles e fiel aos seus valores em uma tentativa inconsciente de demonstrar o seu amor e resgatar a dignidade dos pais

 

A adoção de crianças pode ser uma prática benéfica, mas para que isso ocorra é importante que se tenha consciência de alguns aspectos importantes.

Sistemicamente a melhor solução é o empoderamento dos pais para que assumam a responsabilidade por seus próprios filhos. Apenas quando isso não é possível e nem há algum familiar em condições de assumir a guarda das crianças é que a ajuda de terceiros é uma boa possibilidade. O ideal é que essa ajuda venha inicialmente de um tutor, ou seja, uma família acolhedora que possa cuidar das crianças até que seus pais biológicos tenham condições de recebê-las de volta. É pela falta das famílias acolhedoras que muitas crianças ficam em abrigos aguardando decisões judiciais (para ser um tutor, o 1º passo é se cadastrar na vara da infância e da juventude de seu município). Quando não é de fato possível restituir as crianças às suas famílias de origem é que a adoção por terceiros pode ser de fato benéfica a todos. No entanto, para isso é importante que a motivação principal da família adotante não seja apenas de resolver uma carência sua. O foco é a criança, sua saúde física, mental e emocional. A família tutora e a família adotiva precisam nutrir isso conscientemente e perceber que estão se disponibilizando a colaborarem com os pais biológicos, a continuar o trabalho que estes não estão em condições de dar prosseguimento.

Independente de qual seja o papel desempenhado, é importante saber que, para ajudar uma criança, é preciso ter os pais dela no coração. Isso significa incluí-los, acolhê-los, mesmo que você não os conheça pessoalmente, sem julgamento, sem criticas à sua conduta. Isso é extremamente importante, pois a criança originou-se fisicamente dos seus pais biológicos, cada célula de seu corpo contém 50% do pai e 50% de sua mãe. Uma falta de aceitação dos pais biológicos pode fazer com que a criança se rebele contra os pais adotivos, ou ainda, caso ela própria não aceite seus pais biológico, torne-se depressiva ou somatize doenças como, por exemplo, as doenças autoimunes, onde o corpo rejeita a si próprio. Portanto, por mais difícil que tenha sido o destino de uma criança, cuide para que seus sentimentos não sejam de pena pela criança e de revolta contra seus pais. É preciso ter um olhar de respeito pelo destino da criança, ainda que você não concorde com ele. Aceitar a realidade da forma como ela se apresentou até então pode ser algo difícil, mas é importante. Isso não significa que os pais não serão punidos pelos delitos que tenham cometido, significa que você cuida da criança sem a necessidade de julgá-los (a menos que você seja o profissional incumbido de deliberar sobre o caso, mas neste caso não será você que cuida da criança).

As crianças adotadas pertencem ao sistema familiar dos pais biológicos e, se tudo correr bem, também dos pais adotivos. Quando digo que elas pertencem estou dizendo biológica e energeticamente, pois juridicamente, o Estatuto da Criança e do Adolescente não reconhece o pertencimento aos pais biológicos, apenas aos adotivos. O nome e o sobrenome dos pais biológicos são removidos da certidão de nascimento. Independente das razões para tal, o fato é que os pais biológicos são excluídos. No entanto, existem leis naturais que sobrepõe-se às leis jurídicas e que vão além da consciência do indivíduo, é a consciência do sistema familiar a que esse indivíduo pertence (se isso é novidade para você, leia mais sobre “Constelação Familiar”, onde cada uma destas leis foi sistematizada pelo alemão Bert Hellinger, a partir de centenas de verificações). Uma destas leis diz que todos que nascem em uma família têm direito de pertencer a ela. Quando esse direito não é respeitado, desajustes sistêmicos podem ocorrer. Tais desajustes são tentativas da consciência do sistema familiar de reequilibrar o sistema, de compensar a exclusão. Os desajustes mais comuns nestes casos são abortos ou divórcio do casal adotante. Isso funciona como uma compensação sistêmica: “o sacrifício da relação de casal como uma compensação por privar os pais naturais de seus filhos”. Portanto, para evitar os efeitos dessa exclusão, é extremamente importante que os pais adotivos incluam os pais biológicos no coração. Em outras palavras, que ao olhar para seus filhos adotivos, os pais possam ver neles a obra-prima dos pais biológicos e reconhecer a importância deles na vida dessa nova família.

Mesmo que a criança não se lembre dos pais biológicos, ela pode querer demonstrar o seu amor e tentar recuperar a dignidade deles se mantendo fiel aos seus valores. Vou ilustrar isso trazendo uma situação real que ocorreu durante uma constelação familiar para tratar de um comportamento desajustado de uma criança adotada. O pai adotivo relatou que a criança adotada (com 8 anos) estava furtando os objetos escolares de seus colegas. Então, para dar início à constelação familiar, o terapeuta solicitou ao pai que escolhesse algumas pessoas do grupo para representarem as pessoas envolvidas nesse sistema familiar. Foram escolhidos representantes para a família biológica: o pai, a mãe, a avó e a irmã da criança e representantes para os pais adotivos. Então foi dado início ao processo e a consciência do sistema familiar pôde ser acessada por cada um dos membros ali representados que começaram a trazer sintomas e sentimentos dos membros reais. Nesse caso específico chamou a atenção o amor que a criança sentia por seu pai biológico. Envolta em lágrimas e abraçada a ele, a representante da criança dizia: “Papai, você é o pai mais bom do mundo”. Nesse momento o terapeuta perguntou ao pai adotivo o que tinha acontecido com o pai biológico, ele relatou que este estava preso por furto. Assim, o que a criança estava demonstrando ao furtar objetos na escola era uma fidelidade ao seu pai e uma forma inconsciente de dizer: “Eu sou como o meu pai. Apesar de tirar coisas de meus colegas eu sou uma pessoa boa, o meu pai também é bom.” A solução para essa constelação foi o pai adotivo reconhecer e aceitar esse amor da criança adotada por seu pai biológico e ao reconhecer isso os representantes dos pais biológicos puderam ser gratos aos pais adotivos por eles estarem cuidando de suas filhas (no caso, eram duas irmãs). É dessa forma que a criança adotada pode passar de fato a fazer parte da família adotiva, quando aceita essa nova família em seu coração por perceber que seus pais biológicos são reconhecidos e que seu amor por eles é aceito.

É claro que todas estas questões são complexas e podem ser bastante desafiadoras para todas as partes envolvidas: a criança, a família biológica, a família tutora e a família adotiva. A Constelação Familiar é uma ferramenta terapêutica muito eficiente para descobrir onde estão os desajustes sistêmicos e harmonizar as relações na família de origem e na nova família da criança, devolvendo e honrando o lugar e o papel de cada um dentro do sistema familiar.  Quando cada um ocupa o seu lugar e desempenha o seu papel com consciência, sem se sentir superior ou inferior aos outros membros do sistema, a adoção pode ser um instrumento maravilhoso de parceria e uma oportunidade real de desenvolver a forma mais elevada de amor, o amor incondicional. Antes de querer julgar os pais biológicos, pense que em um mundo perfeito, com situações e pessoas perfeitas, o amor, a fraternidade e a tolerância não teriam nascido. É exatamente nas circunstâncias difíceis que estão às oportunidades para que cresçam em nós as virtudes capazes de nos humanizar. É com esse olhar que você pode incluir os pais biológicos em seu coração, como dádivas em seu caminho de evolução.

Texto de autoria de Cecília Costa*

*Cecília Costa é diretora do Instituto SerMente Livre, terapeuta em Constelação Familiar e Pedagoga Waldorf.

Para receber gratuitamente nossos próximos artigos, participar de uma Constelação Familiar ou saber mais, clique aqui.

Compreendendo as fases da vida

fases da vida achado no face

A própria vida é um caminho de iniciação, temos apenas de aprender a olhá-la e vivê-la conscientemente (Gudrun Burkhard).

De forma geral, podemos dividir a vida em três grandes fases: até os 20 anos somos aprendizes, dos 20 aos 40 anos lutamos e dos 40 aos 60 anos nos tornamos sábios. Com o aumento da expectativa de vida, podemos pensar em uma 4ª fase, a partir dos 60 anos, quando compartilhamos nossa sabedoria até chegar o momento de partirmos.

Para uma compreensão mais detalhada, podemos dividir a vida em períodos de 7 anos, também chamados setênios. O 1º setênio, 0-7 anos, inicia-se com o nascimento, sendo marcado pelo desenvolvimento do corpo físico e forte ligação com o ambiente familiar (pessoas, cultura e hábitos). Nesta fase há o 1º lampejo de autoconsciência, quando a criança aos 3 anos começa a referir-se a si mesma como “Eu”.

O 2º setênio, 7-14 anos, é marcado pelo desenvolvimento das emoções e de relações fora do âmbito familiar, sendo a escola o ambiente principal. Nesta fase há um aprofundamento da autoconsciência aos 9 anos, quando a criança começa a se perceber como um Eu separado dos pais, da família e dos amigos. É um momento onde a criança está mais sensível, tornando-se mais medrosa, irritadiça e chorosa.

O 3º setênio, 14-21 anos, é marcado pela atuação dos hormônios sexuais e amadurecimento do sistema reprodutor, sendo uma época voltada para os amigos. A autoconsciência se consolida cada vez mais e o adolescente tem uma necessidade de afirmação desse Eu, o que é feito confrontando-se com outras pessoas, principalmente, as figuras de autoridade, como pais e professores. Para equilibrar tais confrontos é importante que as figuras de autoridade tenham desenvolvido coerência e veracidade naquilo que pensam, sentem e fazem. Essa é a forma de inspirar o adolescente a ser uma pessoa melhor e mais equilibrada.

No 4º setênio, dos 21-28 anos, tem início a vida adulta e a maioridade em todos os âmbitos legais, ou seja, a pessoa torna-se responsável por si mesma. Mas também é um momento de crise de identidade: Quem sou eu? O que realmente quero fazer? Atrás destas respostas, a pessoa busca uma série de experiências para vivenciar o mundo. É normal que se passe por diferentes experiências profissionais, de relacionamentos e viagens por lugares desconhecidos. É o momento da busca do seu lugar no mundo!

O 5º setênio (28-35 anos) tem início aos 28 anos quando uma nova crise pode ter começo, a crise dos talentos, onde a pessoa se pergunta: Fiz as escolhas profissionais corretas? Sou realmente bom naquilo que escolhi? Onde devo atuar? Passada esta crise, já por volta dos 30 anos a pessoa passa por um processo de questionar o mundo e organizá-lo, buscando sentido para a forma como as coisas são. Entre os 30 e os 33 anos é frequente o colapso de valores e um processo de mudança na forma de perceber o mundo. Assim, aos 33 anos a pessoa pode passar por um renascimento psíquico, onde transforma sua visão de mundo. É o momento da conquista de seu lugar no mundo!

Após o profundo questionamento do mundo no setênio anterior, o 6º setênio (35-42 anos) é marcado pelo autoquestionamento.  A pessoa desenvolve ainda mais sua autoconsciência e compreende que o mundo é o resultado de suas escolhas, de sua forma de agir. Se ela tem desenvolvido um caminho pouco coerente com seus talentos e sentimentos, pode emergir uma forte crise de autenticidade. É o momento da consolidação de seu lugar no mundo! Mas pode ser um novo início, na tentativa de sanar a falta de coerência e autenticidade consigo mesma. Se a pessoa segue em um caminho de incoerência, a crise pode ir se aprofundando e levar a depressões profundas. A depressão é um aviso do corpo de que há necessidade de parar, não dá mais para seguir na mesma direção. Porém, se ao invés de buscar a solução real, a pessoa apenas faz uso de anti-depressivos e outras drogas, a sensação de vazio e de frustração pode agravar-se cada vez mais.

No 7º setênio (42-49 anos) a pessoa busca fazer aquilo que de fato é essencial para ela, de acordo com suas próprias respostas para as questões que a vida foi lhe trazendo. Em um caminho de desenvolvimento consciente, nesta fase a pessoa pode doar ao mundo algo único e autêntico. É como se em toda sua trajetória ela fosse enchendo sua bagagem com tudo que a vida foi lhe oferecendo, mas aqui ela esvazia a mala, deixando apenas aquilo que lhe é essencial. A pessoa se livra dos excessos de responsabilidade, de fazeres, de objetos, se torna mais leve e tem mais consciência de como aproveitar o seu tempo e suas ações com o que de fato considera essencial.

No 8º setênio (49-56 anos) o declínio do corpo físico se faz bem mais evidente. Se a pessoa lida com isso de forma verdadeira e não com uma luta diária para vencer os efeitos do tempo, há o desenvolvimento de novos valores sobre a vida. Se antes a percepção de que ter uma bela aparência era o mais importante para ser aceito e valorizado pelos outros; aqui a pessoa pode se dar conta de que as experiências de vida, seus aprendizados, sua capacidade de empatia, de compaixão e amor são os maiores tesouros. De posse deles, a pessoa tem uma percepção real de que o tempo de vida está se acabando e com essa consciência ela se doa, contribuindo com aquilo que sente que é de fato necessário para um mundo melhor.

No 9º setênio (56-63 anos) a pessoa pode encontrar uma nova missão para sua vida. Aqui o principal impulso é fazer o bem. A pessoa já tem uma história de vida consolidada, ganhou experiências diversas, consolidou sua sabedoria e pode iluminar a vida de outras pessoas.

Após os 63 anos essa nova missão continua se consolidando e a consciência da morte se torna cada vez mais presente. Com sabedoria, a pessoa torna-se cada vez mais grata pela vida e pela oportunidade de estar com os demais, de compartilhar o que aprendeu e de continuar aprendendo e lapidando-se para o encontro derradeiro, onde mergulharemos no grande mistério.

*Texto escrito pela Dra. Cecília Costa, Instituto SerMente Livre, baseado nos estudos da Antroposofia, especialmente nas publicações da autora Gudrun Burkhard precursora da formação de Aconselhamento Biográfico no Brasil.

Se você quer viver conscientemente cada fase de sua vida, invista no seu autoconhecimento. Para receber gratuitamente artigos para lhe auxiliar no seu processo de autodesenvolvimento, cadastre-se.

Você pode aprofundar-se na sua biografia fazendo um workshop de imersão ou através de sessões individuais. Para inscrever-se ou saber mais, clique aqui.

 

Pensar com o coração! Saiba mais sobre esse nobre órgão.

Recentemente, neurofisiologistas ficaram surpresos ao descobrirem que o coração é mais um órgão de inteligência, do que (meramente) a estação principal de bombeamento do corpo.
Mais da metade do Coração é na verdade composto de neurônios da mesma natureza daqueles que compõem o sistema cerebral. Joseph Chilton Pearce, autor do livro A biologia da Transcendência, chama a isto de “o maior aparato biológico e a sede da nossa maior inteligência”. Ele afirma que “O coração é também o primeiro órgão formado no útero. O resto vem depois”.

O coração também é a fonte do corpo de maior força no campo eletromagnético. Cada célula do coração é única e na qual não apenas pulsa em sintonia com todas as outras células do coração, mas também produz um sinal eletromagnético que se irradia para além da célula. Um EEG que mede as ondas cerebrais mostra que os sinais eletromagnéticos do coração são muito mais fortes do que as ondas cerebrais, de que uma leitura do espectro de freqüência do coração podem ser tomadas a partir de três metros de distância do corpo … sem colocar eletrodos sobre ele!

A freqüência eletromagnética do Coração produz arcos para fora do coração e volta na forma de um campo saliente e arredondado, como anéis de energia. O eixo desse anel do coração se estende desde o assoalho pélvico para o topo do crânio, e todo o campo é holográfico, o que significa que as informações sobre ele podem ser lidas a partir de cada ponto deste campo.

O anel eletromagnético do Coração não é a única fonte que emite este tipo de vibração. Cada átomo emite energia nesta mesma frequência. A Terra está também no centro de um anel, assim é o sistema solar e até mesmo nossa galáxia … e todos são holográficos.
Os cientistas acreditam que há uma boa possibilidade de que haja apenas um anel universal abrangendo um número infinito e interagindo dentro do mesmo espectro. Como os campos eletromagnéticos são anéis holográficos, é mais do que provável que a soma total do nosso Universo esteja presente dentro do espectro de freqüência de um único anel.

Isto significa que cada um de nós está ligado a todo o Universo e como tal, podemos acessar todas as informações dentro dele a qualquer momento. Este é o trabalho feito durante a terapia de Constelação Familiar, desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger. Este lugar onde as informações estão armazenadas é denominado Campo Mórfico, segundo o biólogo inglês Ruppert Sheldrake.

Quando desconectamos e nos desligamos da sabedoria inata de amor do Coração, baseado nos pensamentos, o intelecto refletido no ego assume o controle e opera independentemente do Coração, e nós voltamos para uma mentalidade de sobrevivência baseada no medo, ganância, poder e controle.
Desta forma, passamos a acreditar que estamos separados, a nossa percepção de vida muda para uma limitação e escassez, e temos que lutar para sobreviver. Este órgão incrível, que muitas vezes ignoramos, negligenciamos e construímos muros ao redor, é onde podemos encontrar a nossa força, nossa fé, nossa coragem e nossa compaixão, permitindo que a nossa maior inteligência emocional guie nossas vidas.

Devemos agora mudar as engrenagens para fora do estado baseado no medo mental que temos sido ensinados a acreditar, e nos movermos para viver centrados no coração. Para que esta transformação ocorra, é preciso aprender a meditar, “entrar em seu coração” e acessar a sabedoria interior do Universo.
É a única maneira, é O Caminho. A medida que cada um de nós começa esta revolução tranquila de viver do Coração, vamos começar a ver os reflexos em nossas vidas e em nosso mundo.
Esta é a forma como cada um de nós vai criar uma mudança no mundo, criar paz, criar harmonia e equilíbrio, e desta forma, vamos todos criar o Paradigma do Novo Mundo do Céu na Terra.”

Por Rebecca Cherry, modificado por Cecília Costa.

Fonte: http://www.paraiba.com.br/2013/04/09/64269-o-eletromagnetismo-do-coracao-cientistas-apontam-que-o-coracao-pensa-e-irradia

Uma terapia para a alma

family colorida

Embora a palavra alma ainda figure para muitos como algo abstrato e até mesmo duvidoso, é possível observá-la a partir de suas três qualidades: o pensar, o sentir e o querer. Os conflitos surgem na alma quando forças contrárias nos dividem, provocando uma incoerência entre o que pensamos, sentimos e fazemos. Muitas vezes sentimos essas incoerências, mas não temos consciência de suas causas. Isso ocorre porque as causas podem estar além de nossa consciência individual, elas podem, por exemplo, ter tido origem no nosso sistema familiar, em episódios que envolveram pessoas de gerações anteriores à nossa, na maioria das vezes que nós nem mesmo chegamos a conhecer.

Para tornar consciente as causas desconhecidas de nossos desequilíbrios, o alemão Bert Hellinger (1925-  ) desenvolveu as Constelações Familiares e, a partir da aplicação desta técnica em centenas de pessoas, conseguiu compreender e formalizar as leis que regem o movimento da alma dentro do sistema familiar, as quais ele chamou de “ordens do amor”. Paralelamente aos trabalhos de Hellinger, o biólogo inglês Ruppert Sheldrake (1942-  ) formalizou a teoria dos campos mórficos (ou morfogenéticos), a qual postula que há um campo de informação inerente aos organismos e sistemas vivos. O que Bert Hellinger desenvolveu foi uma técnica para acessar esse campo de informação, de modo que a pessoa possa conhecer as informações pertinentes aos problemas que ela traz e os ajustes necessários para saná-los. Em linguagem moderna é como se o terapeuta da constelação familiar fosse um programador e analista de sistemas que acessa a linguagem do software, reprograma-o de modo a sanar as incoerências do sistema e ainda traduz para o cliente a razão para os desajustes observados. Como as informações do software estão na nuvem, assim que ocorre a reprogramação todos os usuários serão automaticamente beneficiados pela nova versão. No caso das Constelações Familiares, o “software” é o programa que regula a dinâmica inconsciente das relações entre os membros do sistema familiar. Cabe ao terapeuta acessar estas informações, torná-las consciente para o cliente e estabelecer uma nova dinâmica de relações que esteja em consonância com as leis que regem um movimento harmônico da alma. Isso é conseguido quando cada membro do sistema pode voltar a ocupar o seu próprio lugar, reconhecer e respeitar o lugar do outro e aceitar o destino de cada um. Quando esta reprogramação é feita e o cliente está aberto para aceitá-la em seu coração, o sistema familiar passa a operar de acordo com esse novo sistema de informações. Os beneficiados são o cliente e as demais pessoas conectadas ao seu sistema, que agora passam a ter um novo conjunto de informações que regula a qualidade das relações dentro do sistema familiar.

Embora o nome original tenha sido Constelação Familiar, o termo foi posteriormente ampliado para Constelação Sistêmica (pois podem ser trabalhados outros sistemas além do sistema familiar) e, mais recentemente, para Constelação da Alma, uma abordagem quase sem palavras onde o principal é o movimento da alma, expresso pelos movimentos corporais dos representantes que são conduzidos pelo campo de informação do cliente, ao qual estão em ressonância (ou sintonia).

Os desajustes da alma, ou seja, do pensar, do sentir e do querer não ficam restritos a esse nível. Se não forem tratados podem ser somatizados em doenças que afetam o corpo físico, de modo que as constelações familiares também são valiosas nesses casos. Dentro do sistema familiar, alguns dos acontecimentos que mais frequentemente são causas e/ou consequências de desarmonias em um ou mais membros da família são: 1) existência de pessoas excluídas da família; 2) pessoas que tomam o papel de outras, por exemplo, um filho que assume o lugar do pai; 3) mortes prematuras na família, seja por doenças, abortos, suicídios, assassinatos, acidentes; 4) pessoas que foram injustiçadas em casos de herança; 5) famílias com assassinos ou vítimas. É importante que a ocorrência destas situações seja investigada na família atual (cônjuges e filhos) e na família de origem: pais, avós, bisavós e até tataravós ou ainda mais longe, caso haja informações relevantes.

De posse destas informações, a pessoa pode abrir sua Constelação Familiar, o que pode ser feito em grupo ou individualmente. Ainda que não se tenha todas as informações, é possível que elas sejam acessadas ao longo da constelação que geralmente é feita em sessão única de cerca de 1 hora. Esta terapia já está bastante difundida no Brasil, onde há dezenas de cursos de formação e milhares de profissionais capacitados. Na área jurídica, o juiz Sami Storch vem usando esta ferramenta terapêutica antes das audiências, o que tem contribuído para a celebração de acordos em 100% dos processos judiciais.

Escrito por Cecília Costa*

*Cecília Costa é doutora em Ecologia, professora universitária, terapeuta em Constelação Familiar e Sistêmica e Aconselhadora Biográfica. É diretora do Instituto SerMente Livre onde facilita Constelações Familiares e Sistêmicas e ministra vários cursos de autodesenvolvimento em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Recife.

Para receber mais artigos sobre o tema ou participar de uma Constelação Familiar, clique aqui.

Adoção e a fidelidade da criança pela família de origem: uma visão sistêmica da adoção

michelangelo adoção

Mesmo que a criança adotada não se lembre dos pais biológicos, ela pode se manter conectada a eles e fiel aos seus valores em uma tentativa inconsciente de demonstrar o seu amor e resgatar a dignidade dos pais

 

A adoção de crianças pode ser uma prática benéfica, mas para que isso ocorra é importante que se tenha consciência de alguns aspectos importantes.

Sistemicamente a melhor solução é o empoderamento dos pais para que assumam a responsabilidade por seus próprios filhos. Apenas quando isso não é possível e nem há algum familiar em condições de assumir a guarda das crianças é que a ajuda de terceiros é uma boa possibilidade. O ideal é que essa ajuda venha inicialmente de um tutor, ou seja, alguém que possa cuidar das crianças até que seus pais biológicos tenham condições de recebê-las de volta. É pela falta de famílias tutoras que muitas crianças ficam em abrigos aguardando decisões judiciais (para ser um tutor, o 1º passo é se cadastrar na vara da infância e da juventude de seu município). Quando não é de fato possível restituir as crianças às suas famílias de origem é que a adoção por terceiros pode ser de fato benéfica a todos. No entanto, para isso é importante que a motivação principal da família adotante não seja apenas de resolver uma carência sua. O foco é a criança, sua saúde física, mental e emocional. A família tutora e a família adotiva precisam nutrir isso conscientemente e perceber que estão se disponibilizando a colaborarem com os pais biológicos, a continuar o trabalho que estes não estão em condições de dar prosseguimento.

Independente de qual seja o papel desempenhado, é importante saber que, para ajudar uma criança, é preciso ter os pais dela no coração. Isso significa incluí-los, acolhê-los, mesmo que você não os conheça pessoalmente, sem julgamento, sem criticas à sua conduta. Isso é extremamente importante, pois a criança originou-se fisicamente dos seus pais biológicos, cada célula de seu corpo contém 50% do pai e 50% de sua mãe. Uma falta de aceitação dos pais biológicos pode fazer com que a criança se rebele contra os pais adotivos, ou ainda, caso ela própria não aceite seus pais biológico, torne-se depressiva ou somatize doenças como, por exemplo, as doenças autoimunes, onde o corpo rejeita a si próprio. Portanto, por mais difícil que tenha sido o destino de uma criança, cuide para que seus sentimentos não sejam de pena pela criança e de revolta contra seus pais. É preciso ter um olhar de respeito pelo destino da criança, ainda que você não concorde com ele. Aceitar a realidade da forma como ela se apresentou até então pode ser algo difícil, mas é importante. Isso não significa que os pais não serão punidos pelos delitos que tenham cometido, significa que você cuida da criança sem a necessidade de julgá-los (a menos que você seja o profissional incumbido de deliberar sobre o caso, mas neste caso não será você que cuida da criança).

As crianças adotadas pertencem ao sistema familiar dos pais biológicos e, se tudo correr bem, também dos pais adotivos. Quando digo que elas pertencem estou dizendo biológica e energeticamente, pois juridicamente, o Estatuto da Criança e do Adolescente não reconhece o pertencimento aos pais biológicos, apenas aos adotivos. O nome e o sobrenome dos pais biológicos são removidos da certidão de nascimento. Independente das razões para tal, o fato é que os pais biológicos são excluídos. No entanto, existem leis naturais que sobrepõe-se às leis jurídicas e que vão além da consciência do indivíduo, é a consciência do sistema familiar a que esse indivíduo pertence (se isso é novidade para você, leia mais sobre “Constelação Familiar”, onde cada uma destas leis foi sistematizada pelo alemão Bert Hellinger, a partir de centenas de verificações). Uma destas leis diz que todos que nascem em uma família têm direito de pertencer a ela. Quando esse direito não é respeitado, desajustes sistêmicos podem ocorrer. Tais desajustes são tentativas da consciência do sistema familiar de reequilibrar o sistema, de compensar a exclusão. Os desajustes mais comuns nestes casos são abortos ou divórcio do casal adotante. Isso funciona como uma compensação sistêmica: “o sacrifício da relação de casal como uma compensação por privar os pais naturais de seus filhos”. Portanto, para evitar os efeitos dessa exclusão, é extremamente importante que os pais adotivos incluam os pais biológicos no coração. Em outras palavras, que ao olhar para seus filhos adotivos, os pais possam ver neles a obra-prima dos pais biológicos e reconhecer a importância deles na vida dessa nova família.

Mesmo que a criança não se lembre dos pais biológicos, ela pode querer demonstrar o seu amor e tentar recuperar a dignidade deles se mantendo fiel aos seus valores. Vou ilustrar isso trazendo uma situação real que ocorreu durante uma constelação familiar para tratar de um comportamento desajustado de uma criança adotada. O pai adotivo relatou que a criança adotada (com 8 anos) estava furtando os objetos escolares de seus colegas. Então, para dar início à constelação familiar, o terapeuta solicitou ao pai que escolhesse algumas pessoas do grupo para representarem as pessoas envolvidas nesse sistema familiar. Foram escolhidos representantes para a família biológica: o pai, a mãe, a avó e a irmã da criança e representantes para os pais adotivos. Então foi dado início ao processo e a consciência do sistema familiar pôde ser acessada por cada um dos membros ali representados que começaram a trazer sintomas e sentimentos dos membros reais. Nesse caso específico chamou a atenção o amor que a criança sentia por seu pai biológico. Envolta em lágrimas e abraçada a ele, a representante da criança dizia: “Papai, você é o pai mais bom do mundo”. Nesse momento o terapeuta perguntou ao pai adotivo o que tinha acontecido com o pai biológico, ele relatou que este estava preso por furto. Assim, o que a criança estava demonstrando ao furtar objetos na escola era uma fidelidade ao seu pai e uma forma inconsciente de dizer: “Eu sou como o meu pai. Apesar de tirar coisas de meus colegas eu sou uma pessoa boa, o meu pai também é bom.” A solução para essa constelação foi o pai adotivo reconhecer e aceitar esse amor da criança adotada por seu pai biológico e ao reconhecer isso os representantes dos pais biológicos puderam ser gratos aos pais adotivos por eles estarem cuidando de suas filhas (no caso, eram duas irmãs). É dessa forma que a criança adotada pode passar de fato a fazer parte da família adotiva, quando aceita essa nova família em seu coração por perceber que seus pais biológicos são reconhecidos e que seu amor por eles é aceito.

É claro que todas estas questões são complexas e podem ser bastante desafiadoras para todas as partes envolvidas: a criança, a família biológica, a família tutora e a família adotiva. A Constelação Familiar é uma ferramenta terapêutica muito eficiente para descobrir onde estão os desajustes sistêmicos e harmonizar as relações na família de origem e na nova família da criança, devolvendo e honrando o lugar e o papel de cada um dentro do sistema familiar.  Quando cada um ocupa o seu lugar e desempenha o seu papel com consciência, sem se sentir superior ou inferior aos outros membros do sistema, a adoção pode ser um instrumento maravilhoso de parceria e uma oportunidade real de desenvolver a forma mais elevada de amor, o amor incondicional. Antes de querer julgar os pais biológicos, pense que em um mundo perfeito, com situações e pessoas perfeitas, o amor, a fraternidade e a tolerância não teriam nascido. É exatamente nas circunstâncias difíceis que estão às oportunidades para que cresçam em nós as virtudes capazes de nos humanizar. É com esse olhar que você pode incluir os pais biológicos em seu coração, como dádivas em seu caminho de evolução.

Texto de autoria de Cecília Costa*

*Cecília Costa é diretora do Instituto SerMente Livre, terapeuta em Constelação Familiar e Pedagoga Waldorf.

Para receber gratuitamente por e-mail nossos próximos artigos, participar de uma Constelação Familiar ou saber mais, clique aqui.

ENTREVISTA | Constelação Familiar e Sistêmica, com Cecília Costa

 

familia olhando horizonte

Compreenda esta terapia sistêmica, onde você se torna o observador de sua própria vida e das suas relações.

A constelação familiar e sistêmica é uma técnica terapêutica breve que te permite representar, compreender e solucionar problemas que estão impedindo sua vida de fluir harmonicamente.

Clique aqui: ENTREVISTA | Constelação Familiar e Sistêmica, com Cecília Costa

Se você quer receber gratuitamente mais artigos sobre esse tema ou quer participar de uma Constelação Familiar, clique aqui.

Quando um quer, dois se reconciliam!

divorce-156444_640

Como resolver conflitos, quando apenas uma das partes está aberta para uma solução harmoniosa? Na última década tivemos um avanço nas ferramentas para solução de conflitos, tornando-se mais comum encontrar a ajuda de profissionais especializados em facilitação de grupos, mediação e resolução de conflitos. No âmbito jurídico surgiu a justiça restaurativa, onde se usa a comunicação não violenta e outras ferramentas de mediação, que tem melhorado, significativamente, os acordos entre as partes. Até mesmo no caso de homicídios a justiça restaurativa tem tido sucesso, dando a oportunidade de que o assassino e a família da vítima possam ter um encontro humano, onde há espaço para empatia e compaixão.

No entanto, há situações em que este espaço de diálogo não é possível, seja porque há resistência de uma ou de ambas as partes, seja porque um encontro presencial já não é mais desejado ou possível (p. ex. por morte, desaparecimento, etc). Nestes casos, a constelação familiar é uma ótima alternativa. Nessa técnica terapêutica basta que uma das partes esteja aberta a encontrar a solução para o problema, sendo que os demais envolvidos são representados por uma outra pessoa (que pode ser o terapeuta ou um participante, no caso de trabalhos em grupo). Como a constelação trabalha no nível energético, o campo de informação daquele sistema é aberto e os representantes passam a acessar os reais sentimentos das partes envolvidas. Uma seção dura em torno de 1 hora, tempo suficiente para os representantes, ajudados pelo terapeuta, irem buscando através de frases, gestos e emoções um novo lugar dentro do sistema. Na maioria dos casos, a constelação termina com uma nova imagem, uma imagem que traz a solução para o problema inicial. O cliente tem então a oportunidade de mudar sua compreensão sobre a situação e, a partir disso, pode experimentar na prática o que os grandes líderes espirituais não cansam de dizer: “A mudança começa de dentro. Mude você e você mudará o mundo.”

Texto escrito por Cecília Costa, diretora do Instituto SerMente Livre.

Para receber gratuitamente artigos que contribuam para seu autodesenvolvimento ou participar de um encontro de Constelação Familiar, clique aqui.

Constelação Familiar

familia colorida 3

Muitas vezes assumimos inconscientemente problemas que remontam de acontecimentos em nossa família, na vivência de nossos antepassados ou provenientes de nossa infância. Isso nos causa sofrimento, culpa, amor cego, os quais influenciam profundamente os nossos sentimentos, o nosso agir e até mesmo a nossa saúde.

Através da técnica terapêutica da constelação familiar podemos trazer à luz esses emaranhamentos ocultos, mas que afetam a dinâmica de nossas vidas. Isso nos permite ampliar nossa força interior e a capacidade de entender nosso próprio comportamento, tornando possível a reconciliação conosco mesmo, com certas situações e com outros membros do nosso sistema.

Que temas podem ser trabalhados em uma constelação familiar?
– conflitos familiares, 
– conflitos entre casais; 
– dificuldade ou bloqueios para engravidar ou para manter uma gestação;
– dificuldade em lidar com perdas de parentes, pessoas queridas ou parceiros; 
– dificuldade em relacionar-se com outras pessoas; 
– problemas de saúde (transtornos psicopatológicos e alimentares, câncer, e outros); 
– dificuldade em escolher uma profissão; 
– conflitos entre sócios, funcionários e clientes; 
– problemas financeiros. 

O trabalho é feito individualmente ou em grupo. Nas constelações em grupo você pode participar assistindo e representando (não precisa de agendamento prévio) ou abrindo sua própria constelação (agendar previamente).

Para formalizar gratuitamente seu interesse e/ou pedir mais informações, clique aqui.

Para ficar atualizado dos próximos encontros, peça para entrar em nosso Grupo no Facebook: Constelação Familiar BH-Santa Luzia ou Constelação Familiar e Sistêmica – Recife.